A COISA que soltei nas calças!

Compartilhe:

Palhaços são vistos todos os dias em lugares variados: na padaria, no açogue, na fila do supermercado, na faculdade, no ônibus. Mesmo depois de 27 anos vivendo entre eles, nunca pensei que poderiam me assustar com tanta facilidade…

Mas um me assustou. Pennywise é o nome do condenado que me assustou. Aliás, nos assustou, assustou a todos e vem assustando desde 1986, quando seu criador, o maluco Stephen King, o criou em sua obra A Coisa.

Depois do livro, Tommy Lee Wallace resolveu criar uma minissérie de 2 capítulos em 1990, com 1 hora e meia de duração CADA! Sim, 3 horas de minissérie. Contratou o famoso Dr. Frank-N-Furter (Tim Curry) e nos apresentou um palhaço engraçado e fofo. 

Acredito que começarei a usar a metáfora de Pennywise. Sabe aquela amiga que parece fofa, calma e super confiável até que não é mais? Então… um dia ela se transforma e mostra para que veio!

Sem muitos recursos à época, a minissérie trouxe um assombro e despertou uma fobia de palhaços em muitas pessoas que se quer sabiam que tinham.

27 anos depois, e isso não é uma coincidência, ele retorna usando e abusando da tecnologia do século atual.

A história acontece na cidade de Derry. Pacata, porém assustadora, a cidade reserva um segredo do cão. A cada 27 anos, o número de crianças desaparecidas aumenta absurdamente e ninguém faz nada até que George, o famoso menininho de capa de chuva amarela com galochas vermelha, perseguindo seu barco de papel feito pelo irmão Billy Gaguinho, desaparece.

Acontece que se qualquer coisa caísse em um bueiro, eu simplesmente colocaria meu fone de ouvido e sairia saltitante ao som de Look What You Made Me Do.

Não seguiria barco nenhum nem se ele fosse o próprio Titanic, o próprio Poseidon. K-guei!

Então a história começa. O palhaço Pennywise atormenta a vida de 6 crianças que se unem para combater o mal.

JURO! Eu pulei da cadeira mais do que Diego Hypolito da cama elástica.

É um filme que mistura tudo e modifica muito a atmosfera da minissérie de 90: você vai rir, E MUITO – mas não com o palhaço… Irônico, né? – vai chorar, e, claro. vai soltar leves gritos misturados com um peido discreto que ninguem sentirá o cheiro, pois estarão todos com as mãos na cara na tentativa de se esconder.

Vale muito a pena ver e esperar para a PARTE 2, que virá em breve!!!!

Luccas Fukushima

Luccas Fukushima

Luccas é simples, engajado, honesto, sincero. Ele ama o que é bom sem deixar de apreciar o que é ruim e espera que aqueles que o leem façam desta uma verdadeira recíproca.
Luccas Fukushima
Compartilhe:

Conversas

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *