A agitação e a tranquilidade do Terminal Santo Antônio

Compartilhe:
Reprodução: Agência Sorocaba de Notícias.

Rostos diversos e desconhecidos que vêm e vão à procura do meio de transporte mais estressante do mundo. O Terminal Santo Antônio é o perfeito exemplo de contradição. O silêncio é quebrado pelo barulho dos ônibus que entram e saem do local. As vozes caladas nos dão a sensação de tranquilidade, mas só a sensação. Na verdade, a pressa e a correria são as rainhas desse castelo.
As senhoras se perdem nos horários: “Que ônibus eu pego para chegar no Jardim Iguatemi?”. “A senhora pode esperar o Retiro São João, que chega daqui 40 minutos ou pegar o Expresso, ir até o Terminal São Paulo e lá pegar o Iguatemi mesmo”, responde a atendente, pouco se importando com o longo tempo que leva para qualquer uma das escolhas. A melhor escolha é esperar lá mesmo, para não ficar se apertando na lotação do Expresso. Pelo menos agora é possível esperar sentado e, se precisar, utilizar o banheiro chique do terminal.
A calma das senhoras é substituída, mais ou menos 12h30, pelas risadas altas dos adolescentes que acabaram de sair da pior aula de educação física da vida para ir para casa almoçar o bife com batatas da mãe. Dezenas de jovens conversam, riem, jogam baralho e porque não tomar um milk shake? “Ah se minha mãe souber que estou tomando isso antes do almoço!” – não importa, a jovem vai chegar em casa e engolir o bife do mesmo jeito.
Os trabalhadores também vêm e vão na sua rotina. O costume é tão forte em bater o cartão na catraca todos os dias que até se esquecem de comprar o passe que a esposa pediu. “Como esqueceu pela segunda vez se você passa por lá todo dia?”.
A paisagem se completa com os guardas municipais, sem ter muito o que fazer ali, gente que entra no terminal para pedir coisas, pessoas promovendo instituições de caridade, um senhor que bebeu demais…
Os motoristas aproveitam a parada de 2 minutos no terminal para descer do automóvel e esticar as pernas, tomar um café, comer um pão de queijo e papear com os colegas.
As tribos ali se misturam em harmonia. Raramente acontecem brigas, desentendimentos, acidentes. É uma bagunça organizada.
O ambiente, além de ser formado por senhoras, adolescentes, bêbados, policiais, motoristas, mendigos, é ainda composto por pombos. Talvez haja mais aves do que pessoas ali. Alguns os repelem, outros aproveitam para oferecer-lhes um pouco do Fandangos que estava na mochila.
E nesse vai e vem os ônibus entram e saem passando por centenas de vidas, cada uma com sua história, cada uma com um lugar para ir. Essa gente pega um ônibus para chegar a mais um lugar, ter mais uma história para contar e um novo lugar para ir. Por favor, moça, qual ônibus pego para chegar ao paraíso?

Tamara Araújo

Tamara Araújo

Projeto de escritora e amante de cinema, livros e quadrinhos =D
Tamara Araújo

Últimos posts por Tamara Araújo (exibir todos)

Compartilhe:

Conversas

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *